(041) 3259-6666      contato@oncopelle.com.br    |   

A relação entre melasma e os raios solares

Conceito

O melasma é uma condição crônica caracterizada pela hiperpigmentação da pele e decorrente da superprodução de melanina - proteína responsável pela coloração e proteção contra os danos da radiação ultravioleta.

Causas e Sintomas

Ainda não está totalmente esclarecida as causas do melasma, mas é certo que a exposição aos raios ultravioleta é um dos fatores mais estimulantes sobre a atividade dos melanócitos (células especializadas na produção de melanina). Uma prova disso é o fato de que, em geral, as áreas do corpo menos expostas ao sol são também as mais poupadas.
O transtorno resulta na formação de manchas planas e sem crostas, de coloração amarronzada, formato irregular e tamanhos variados, que atingem especialmente o rosto (ao redor dos olhos, lábio superior e queixo), mas também podem surgir no colo, pescoço e antebraços - às vezes, de forma bilateral.

Fatores de risco

O melasma é mais frequente em mulheres que estão em fase reprodutiva (20 a 50 anos), mas outros fatores e comportamento de risco também estimulam a produção de melanócitos. É o caso da exposição aos raios ultravioleta, do uso de anticoncepcionais, de gravidez e problemas na tireoide, do uso de cosméticos irritantes ou de medicamentos para tratar algumas doenças.

Diagnóstico e Prevenção

O diagnóstico é feito pela avaliação clínica e pela relação do paciente com os fatores de risco.

A prevenção é simples e consiste em evitar a exposição solar e também a exposição as fontes de luz visível como lâmpadas artificiais e equipamentos eletrônicos. Isso pressupõe o uso diário (mesmo em ambientes internos) de filtro solar com FPS igual ou superior a 30 e com proteção contra os raios UVB (que atingem as camadas superficiais) e UVA (que danificam as camadas profundas) para ser reaplicado a cada duas horas.

Tratamento

O tratamento inclui o uso tópico de agentes que promovem o clareamento gradual das manchas, além de procedimentos dermatológicos como peelings químicos superficiais, que aceleram a remoção da melanina e facilitam a penetração dos medicamentos tópicos e terapias com laser, que rompem os grãos de melanina reabsorvidos pelo organismo.

Fonte: Medical Site

06 de Agosto de 2020

Agende sua consulta!